MELANOMA

O que é

Conhecendo um pouco sobre a Pele

A pele é o maior órgão do corpo. É ela a responsável pela proteção contra o calor, a luz do sol, lesões e infecções. A pele também ajuda a regular a temperatura, armazena água, gordura e atua na produção da vitamina D.

A pele pode ser dividida em várias  camadas, mas as duas principais são a epiderme (superficial) e a derme (profunda). O câncer da pele começa na epiderme, que é composta de três tipos de células:

Células escamosas: células finas e achadas que formam a camada mais superficial da epiderme.

Células basais: células redondas localizadas embaixo das células escamosas.

Melanócitos: células que produzem melanina e que são encontradas na parte mais profunda da epiderme. A melanina é o pigmento que dá à pele sua cor natural. Quando a pele é exposta ao sol ou à luz artificial, os melanócitos produzem mais pigmentos e, como consequência, a pele escurece.

 

O que é Melanoma?

O melanoma é um câncer de pele maligno que se desenvolve nos melanócitos.

Os melanócitos são células que produzem a melanina, responsável pela pigmentação da nossa pele, cabelo e olhos. Uma de suas grandes responsabilidades é proteger nosso DNA da ação nociva da radiação emitida pelo sol.

O melanoma pode se desenvolver na pele de qualquer parte do corpo, sendo mais frequente no tronco, braços e pernas, face e pescoço. Com menor frequência, ele também pode se formar em outras regiões do corpo, como olhos, boca, órgãos genitais e região anal.

O melanoma é menos frequente que outros tumores cutâneos, representando apenas 4% dos casos, mas é o de maior gravidade e mortalidade. Isso se deve à sua grande capacidade de produzir metástases – quando as células tumorais comprometem outros órgãos, como fígado, pulmões, ossos e cérebro. Caso o melanoma seja detectado nos estágios iniciais, as chances de cura chegam a 90%.

Segundo informações do Instituto Nacional do Câncer (INCA), só no ano de 2016, a estimativa de novos casos foi de 5.670, sendo 3 mil em homens e 2.670 em mulheres.

Existem três categorias gerais de melanoma:

Melanoma cutâneo - é o melanoma da pele. Como a maioria das células de pigmento são encontradas na pele, esse é o tipo mais comum de melanoma. O melanoma cutâneo pode ser descrito de quatro formas principais:

  • Melanoma extensivo superficial: é o tipo mais comum de melanoma, que se desenvolve inicialmente nas células mais superficiais da pele, demorando mais tempo para chegar a outros órgãos.
  • Melanoma lentiginoso acral: também atinge inicialmente as camadas mais superficiais da pele, especialmente as palmas das mãos, solas dos pés e unhas. É o melanoma mais comum em negros, asiáticos e hispânicos.
  • Melanoma lentigo maligno: mais observado em áreas que estão mais expostas ao sol, como face, pescoço e dorso das mãos. Mais comum em pacientes idosos.
  • Melanoma nodular: é o tipo de melanoma mais agressivo, atingindo outros locais do corpo desde o início. Começa como uma mancha elevada preta, azulada ou vermelho-azulada.
  • Melanoma mucoso - pode ocorrer em qualquer membrana mucosa do corpo, incluindo as passagens nasais, garganta, vagina, ânus e boca.
  • Melanoma ocular – também conhecido como melanoma de coroide, se origina nos melanócitos dessa região. Um tipo de melanoma muito raro e seus sinais e sintomas são muito difíceis de perceber a olho nu.

 

*Conteúdo retirado e adaptado do site do GBM – Grupo Brasileiro de Melanoma

blog: notícias e artigos

  • Editorial - News Agosto/2018
    Olá queridos e queridas, Apesar dos inúmeros desafios que ainda temos no Brasil e no mundo quando se fala de câncer e, em especial de melanoma, a boa notícia é que o tema hoje é destaque e tem sido foco de muita atenção, diálogo e pesquisa ao redor do mundo. Participamos, em junho, mais uma … Continue lendo "Editorial – News Agosto/2018"...
  • Eu senti na pele - Léo Montanheiro
    Ninguém está preparado para receber o diagnóstico de uma doença grave. Muito menos se esse diagnóstico for de um filho. A seguir vocês vão conferir o relato de um pai que passou por esse processo e admite que a “ficha demorou para cair” e que após tomar ciência da gravidade do fato, temeu a morte … Continue lendo "Eu senti na pele – Léo Montanheiro"...
  • Imunoterapia: a esperança dos pacientes
    Após sete anos da liberação no mundo, a imunoterapia tem sido um dos caminhos mais promissores para o tratamento contra o câncer, entre eles o melanoma. O tratamento que utiliza o próprio sistema imunológico dos pacientes para destruir os tumores inspira otimismo e é considerado o menos agressivo no combate ao câncer. De acordo com … Continue lendo "Imunoterapia: a esperança dos pacientes"...

Posts por tema

Mídias Sociais